sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Como saber se estou dependente da internet?


1- Você fica mais tempo na Internet do que com pessoas “reais”? 
Se você costuma gastar suas horas com atividades online mais do que com pessoas da sua família, amigos ou de outro tipo de relacionamento, realmente você precisa ficar atento, pois este é um dos primeiros sintomas do problema. 

2- Você não consegue manter seu próprio controle na net? 
Caso você se conecte na Internet apenas para “dar uma olhada” e acaba ficando bem mais do que o planejado, cuidado! Este pode ser um claro sinal de dependência. 

3- Você acha que “sem a Internet não dá para ficar”? 
Se por qualquer razão você não pode estar online durante algumas horas/períodos e percebe-se ansioso ou com tédio ou irritado e, quando volta a conectar-se fica bem de novo. Este é um péssimo sinal! 

4- Você se percebe incapaz de diminuir o tempo online, mas, pelo contrário, só aumenta? 
Caso você já tenha feito tentativas frustradas para diminuir o tempo de uso e vem notando que a cada dia que passa, você permanece mais tempo conectado na net para ter a mesma satisfação. Muito cuidado, este é um forte sinal de dependência! 

5- Você tem mentido ou disfarçado para os outros sobre o tempo que você fica conectado? 
Desde que começou a ficar mais tempo online, se você tem tentado enganar ou mentir para seus familiares ou pessoas mais próximas a respeito da relação que você estabelece com o tempo na Internet. Isto é um gritante aviso! 

6- Você sente que sem a Internet a vida não teria graça? 
Se não consegue mais sentir o mesmo prazer que antes nas atividades off-line ou sente-se melhor na vida virtual do que em qualquer outra situação real. Ou ainda, tem notado que de um tempo para cá, desde que começou a usar com maior frequência a Internet, vem sentindo-se irritado ou deprimido. Cuidado! 

7- Mesmo sem estar na frente do computador, preocupa-se com o que está acontecendo no mundo virtual? 
Quando você está envolvido em outras tarefas cotidianas e não pode estar online (nossa, que ansiedade!), chega em casa e corre para ligar seu computador (ou dá um jeito mesmo fora de casa) para ficar “inteirado” dos acontecimentos virtuais. Estas atitudes podem indicar dependência de Internet. Você precisa de ajuda!

Faça o teste! Se necessário, busque ajuda profissional.



Fonte: Dependência de Internet

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica - (11) 97273-3448

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

STRESS

Reação do organismo com componentes psicológicos, físicos, mentais e hormonais.


Bom – ânimo, criatividade, vigor e energia.
Ruim – esgotamento, excesso.

Causas: Morte na família, brigas em casa, separação, mudanças em geral, atividades em excesso, viagens longas, doenças, hospitalização, diarreia, tique nervoso, tremor nas pálpebras, dor de cabeça, náusea, tensão muscular, bruxismo, falta de apetite, mãos frias e suadas, impaciência, pesadelos, ansiedade, insegurança, hipersensibilidade.

Fases do Stress:
•ALERTA: luta e defesa
•RESISTÊNCIA: desgaste – futura patologia
•QUASE-EXAUSTÃO E EXAUSTÃO: mau funcionamento do organismo, aparecimento de doenças.

Sintomas de Stress em Crianças:

Sintomas Psicológicos 
Terror noturno, Introversão súbita, Pesadelos, Medo excessivo, Agressividade ou impaciência, Ansiedade, Choro excessivo, Dificuldades interpessoais, Desobediência, Depressão, Desânimo e Hipersensibilidade.

Sintomas Físicos
Diarreia, Tensão muscular, Gagueira, Dor de barriga, Ranger os dentes, Dor de cabeça, Tique nervoso, Náuseas, Insegurança, Hiperatividade e Enurese noturna.

Abaixo, segue o link para vocês fazerem o teste do stress.

http://www.estresse.com.br/auto_avaliacao-online/avaliacao-de-stress-em-adultos/

Fonte: Marilda Lipp

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica
(11) 97273-3448

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Adolescência - O que é?

É uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta. Este período é marcado por diversas transformações corporais, hormonais e até mesmo comportamentais. Não se pode definir com exatidão o início e fim da adolescência (ela varia de pessoa para pessoa), porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre entre os 10 e 20 anos de idade (período definido pela OMS – Organização Mundial da Saúde).

Adolescência e puberdade

Muitas pessoas confundem adolescência com puberdade. A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada pelas transformações físicas e biológicas no corpo dos meninos e meninas. É durante a puberdade (entre 10 e 13 anos entre as meninas e 12 e 14 entre os meninos) que ocorre o desenvolvimento dos órgãos sexuais. Estes ficam preparados para a reprodução. 

Durante a puberdade, os meninos passam pelas seguintes mudanças corporais e biológicas: aparecimento de pelos pubianos, crescimento do pênis e testículos, engrossamento da voz, crescimento corporal, surgimento do pomo-de-adão e primeira ejaculação.

Entre as meninas, as mudanças mais importantes são: começo da menstruação (a primeira é chamada de menarca), desenvolvimento das glândulas mamárias, aparecimento de pelos na região pubiana e axilas e crescimento da região da bacia.

Hormônios e comportamento

Durante a adolescência ocorrem significativas mudanças hormonais no corpo. Além de favorecer o aparecimento de acnes, estes hormônios acabam influenciando diretamente no comportamento dos adolescentes. Nesta fase, os adolescentes podem variar muito e rapidamente em relação ao humor e comportamento. Agressividade, tristeza, felicidade, agitação, preguiça são comuns entre muitos adolescentes neste período.

Por se tratar de uma fase difícil para os adolescentes, é importante que haja compreensão por parte de pais, professores e outros adultos. O acompanhamento e o diálogo neste período são fundamentais. Em casos de mudanças severas (comportamentais ou biológicas) é importante o acompanhamento de um médico e psicólogo.

Socialização
Uma marca comum da maioria dos adolescentes é a necessidade de fazer parte de um grupo. As amizades são importantes e dão aos adolescentes a sensação de fazer parte de um grupo de interesses comuns.

Gravidez na adolescência

No Brasil atual, a gravidez precoce tem se transformado num grande problema de saúde pública. Com poucas informações e uma vida sexual ativa cada vez mais precoce, muitas adolescentes estão engravidando numa época da vida em que se encontram despreparadas para assumir as responsabilidades de mãe. Ao se tornarem mães, estas adolescentes acabam deixando de lado uma importante fase de desenvolvimento (algumas até mesmo abandonam os estudos). Mais preocupante são aquelas que buscam o aborto, tirando a vida de um ser e colocando em risco suas próprias vidas. 


Fonte: Sua Pesquisa

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448

sábado, 24 de setembro de 2016

Acupuntura Auricular e Reiki para Stress Infantil

Atualmente os pais e avós trabalham, as crianças passam mais tempo em escolas, cursos extracurriculares, atividades desgastantes físicas e mentais.

O stress infantil não aborda somente o cansaço físico, mas também e principalmente o cansaço mental.

Com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) técnica de acupuntura auricular, pode-se tratar a criança por inteiro, não somente as comorbidades, um único problema ou seus sintomas, mas todos os aspectos físicos, psíquicos e emocionais.

Cada tratamento é individualizado para cada paciente. A noção fundamental que dá razão a essa postura é a de que cada pessoa é afetada de uma maneira diferente.A técnica é totalmente segura e traz muitos benefícios a saúde como um todo. Totalmente indolor, sem a necessidade de ser utilizada agulha.

A Acupuntura Auricular ou Auriculoterapia, possui vários recursos de estimulação dos pontos de ação terapêutica na região do pavilhão auricular, como microesferas de silício; magnetos auriculares; sementes de mostarda; cristais radiônicos; agulhas sistêmicas; do-in auricular; laserpuntura auricular; cromopuntura, etc.

A palavra Reiki é composta de duas palavras japonesas: “Rei”, que significa “universal” e “Ki”, ​​que significa “energia vital”.

O método do Reiki consiste na imposição das mãos para transmitir a energia vital universal e, assim, curar e equilibrar as energias sutis dentro de nosso corpo. O Reiki trata desequilíbrios físicos, emocionais, mentais e espirituais. Esta arte de cura é um sistema de entrega eficiente.

O Reiki é muito utilizado por pessoas que buscam o relaxamento e o fortalecimento do seu bem-estar. Mas, através da energia vital universal, é possível fazer mais: reduzir as dores, a ansiedade, a fadiga, ou ajudar a controlar e reduzir sintomas de doenças. Acredita-se que a prática do Reiki em longo prazo pode restaurar todo o organismo humano. Assim, é possível abrir todos os canais de energia e isso vai permitir que o corpo lide de forma adequada com o estresse, a ansiedade e a depressão.

Benefícios do Tratamento:
– Produz uma sensação de relaxamento profundo, ajudando o organismo a liberar o estresse e as tensões;
– Acelera as habilidades de autocura do corpo humano;
– Melhora a qualidade do sono;
– Reduz a pressão arterial;
– Diminui os efeitos colaterais de medicamentos;
– Remove os bloqueios de energia, ajusta o fluxo de energia do sistema endócrino, e traz ao corpo o equilíbrio e a harmonia;
– Auxilia o organismo na limpeza de toxinas nele contidas;
– Aumenta a vitalidade.

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

O que é Psicopatologia?

A psicopatologia pode ser definida como o conjunto de conhecimentos referentes ao adoecimento mental do ser humano. São vivências, estados mentais e padrões comportamentais.

Está ligada a diversas vertentes, porém é foco de muitos estudos nas disciplinas de psicologia, psiquiatria e corpo teórico psicanalítico. Pode ser caracterizada como o estudo descritivos dos fenômenos psíquicos “anormais’, estudando gestos, comportamentos, expressões e relatos autodescritivos do enfermo. A palavra Psicopatologia é composta por três palavras gregas: psique  - alma ou mente; pathos – paixão, sofrimento ou doença; logo - lógica ou o conhecimento.

Essa junção de palavras resulta então na significação de que o paciente, passivo, acometido pela paixão (paixão aqui significando dependência do outro) adoece de uma causa que ele mesmo desconhece e que faz com que reaja na maioria das vezes de forma imprevista. Psicopatologia então pode ser definida como a disciplina que estuda o sofrimento da mente, ou seja, o estudo a respeito de doenças psíquicas.

Essa área do conhecimento, busca estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental do indivíduo.

A psicopatologia enquanto estudo dos transtornos mentais é referida como psicopatologia geral. É uma visão descritiva dos comportamentos que se desviam do que é o meio-termo, a média, isto é, do que é esperado pela racionalidade. O estudo das patologias mentais, pode estar vinculado a uma teoria psicológica específica, por exemplo psicologia humanista, uma área da psicologia (psicologia do desenvolvimento mental) ou mesmo a outras áreas do conhecimento (neurologia, genética, evolução). Pode-se dizer que a psicopatologia pode ser compreendida por vários vieses, e estes, combinados, dão determinada leitura acerca do sofrimento mental. Essa diversidade de compreensões, ao mesmo tempo em que mostra a complexidade da área, pode causar certa confusão; assim, é fundamental que o interessado no estudo da psicopatologia esteja ciente de que existem várias teorias e abordagens na compreensão dos transtornos mentais e de comportamento.

Enquanto estudo e pesquisa do que é constitutivo do sujeito, do que é universal e não desviante, é enfocado pela psicopatologia fundamental. A psicanálise se aproxima desse enfoque ao propor a hipótese do inconsciente enquanto processo psíquico constitutivo que permite explicar a formação de sintomas, sonhos, atos falhos, sintomas.

A psicopatologia considera que os transtornos mentais orgânicos são aqueles que têm causas físicas evidentes, como acontece com a doença de Alzheimer, ao passo que os transtornos mentais funcionais são os padrões comportamentais anormais sem claros indícios de alterações orgânicas cerebrais.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Psicopatologia

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

APONG

São minúsculas estruturas em alumínio, que devem ser colocadas nos pontos de acupuntura (principalmente nas orelhas para auriculoterapia), com a intenção de minimizar um quadro de dor aguda ou crônica. 

Após uma sessão de acupuntura sistêmica ou auricular, deixa-se em alguns pontos pré-selecionados, essas estruturas. O paciente vai para casa podendo levar sua vida normalmente (atividade física, banho, piscina, etc.), apenas com o cuidado de não esfregar o local. As estruturas são colocadas delicadamente sobre a pele e um micropore é colocado por cima. Tudo de maneira INDOLOR! Podendo-se usar em crianças com uma resposta muito favorável.


Esta estratégia não é usada tão somente para dores, mas em casos de rinites e sinusites, estresse, insônia, depressão e vícios (tabagismo, alcoolismo), bastando para tanto o profissional ter habilidade com o método.

Também não deixa de ser uma estratégia para aquelas pessoas que não gostam da acupuntura clássica, por terem medo de agulhas, além de beneficiar as crianças, pois usa-se os métodos não invasivos (APONG, LASER, MAGNETOS, ESFERAS MAGNETIZADAS, CRISTAIS RADIÔNICOS, SEMENTES DE MOSTARDA, STIPERS).


Fonte: Dr. José R.T.Lima

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448 

sábado, 20 de agosto de 2016

PSICOTERAPIA NA TERCEIRA IDADE

Todo momento pode ser considerado um bom e importante momento para pensarmos no nosso bem estar e de quem está a nossa volta, seja qual for a época de nossas vidas – infância, adolescência, fase adulta ou velhice.

Durante o envelhecimento alguns processos fisiológicos, emocionais e sociais, sem dúvida, acontecem e merecem atenção e consideração. Por isso é muito importante cuidar do idoso, tendo sempre em vista a psicologia do idoso.

Pensar nessa fase da vida como sendo ainda produtiva e possível de ser bem vivida é uma tarefa de todos nós. Visando um bem estar físico, social e psicológico, algumas medidas podem ser tomadas. Entre elas encontra-se a psicoterapia, seja ela individual ou em grupo.


Entre as abordagens psicológicas, a TCC ou Terapia Cognitivo Comportamental, é bastante recomendada para essa fase da vida, por, entre outros fatores, ter como característica ser:
-Diretiva: o problema atual como foco do processo;
-Estruturada: é possível pensar no processo como sequencial e previamente estabelecido;
-Educativa: é possível ao paciente aprender sobre o processo e participar do mesmo ativamente.

Além desses fatores, a TCC – Terapia Cognitiva Comportamental utiliza-se também de técnicas e treinos, como por exemplo, o de habilidades sociais, por vezes muito interessante para uma melhor interação do idoso nos mais diferentes contextos cotidianos.

O processo psicoterapêutico pode auxiliar também o idoso a entender melhor sobre sua condição de saúde, o uso de medicamentos e tratamentos médicos, que por vezes esteja se submetendo, além também de ajuda-lo a entrar em contato com questões emocionais e psíquicas, possibilitando assim uma diminuição dos sofrimentos causados por problemas como depressão e ansiedade, por exemplo, comuns nessa faixa etária.

A psicoterapia com o idoso visa também beneficiar os cuidadores e a família, uma vez que ao se cuidar, ao se dar o devido valor, ao saber se posicionar melhor frente às adversidades da vida, a pessoa saberá também lidar de maneira mais adequada e adaptada com todos os que com ela convivem.

As sessões de terapia do idoso seguem o mesmo padrão e modelo das demais – são encontros semanais sempre visando uma melhora de qualidade de vida, adaptando-os às necessidades e anseios de quem busca mais do que auxílio – uma nova maneira se ver e se posicionar no mundo, com mais alegria, otimismo e bem estar.

Fontes: Skinner, B.F. Viva bem a velhice. Ed Summus. São Paulo, 1985 - Tratado de Geriatria e Gerontologia.

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Auriculoterapia - Indicação x Contra Indicação

Contra Indicação

Não devem ser usadas em gestantes entre segundo e sétimo mês. Após esse período não devem ser pontuados útero, ovário, abdome, secreção glandular, sistema endócrino, subcortex. Em gestantes com histórico de aborto espontâneo é contra indicado o uso da auriculoterapia em todo o período gestacional (YAMAMURA, 2004).
            
Quando estiver lesões, ulcerações, eczemas e similares. Se houver reações pronunciadas de mal-estar, tontura, fraqueza, desmaios, hipotensão, conforme o caso, deve-se evitar estimulação enquanto perdurar condições de extrema fraqueza. Em cardiopatas de medicamentos anticoagulantes, diabéticos, portadores de anemia e condições muito debilitantes de saúde, não é apropriado o uso de sangria e estimulações forte por tempo prolongado com agulhas sistêmicas e similares (WEN, 2007).

Indicação

Pode ser usado em todos os problemas físicos e psíquicos, abrangendo uma vasta relação de tratamento, como analgesia, antiinflamatório, sistema nervoso, imunológico, endócrino, psicológico, alérgico, prevenção e manutenção de saúde (YAMAMURA, 2004).

Não se deve abandonar e ou substituir o tratamento alopático pela auriculoterapia, essa é uma técnica complementar, para obter um resultado satisfatório em alguns casos é necessário que o tratamento seja associado a outros métodos.

Como já mencionado, é uma terapia reflexa, seu uso deve ser exercido de forma cautelosa e cuidadosa, pois, qualquer interpretação errônea de seu uso, avaliação e escolha de pontos pode levar a uma terapêutica errada.

Fonte:
SOUZA, Marcelo Pereira. Tratado de Auriculoterapia. 1ª Edição, Distrito Federal; Editora Novo Horizonte, 2007.
WEN,T.S. Acupuntura clássica Chinesa. Ed. Cultrix, São Paulo, 2007.
YAMAMURA, Ysao. Acupuntura Tradicional – A arte de Inserir. 2ª Ed., Ed. Roca, São Paulo, 2004.


Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga e Terapeuta
(11) 97273-3448 

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Auriculoterapia com Cristais Radiônicos

Os cristais radiônicos, são pequenas esferas programadas radionicamente para emitir uma frequência eletromagnética de oito mil angstroms. Esta programação é feita por radiestesia eletrônica e a frequência impressa nos cristais radiônicos,  é considerada a frequência de equilíbrio do ser humano que varia entre 6.500 a 8.000 angstroms.  A frequência dos Cristais radiônicos é medida por um equipamento radiestésico, chamado Biômetro de Bovis.

Os cristais radiônicos funcionam como instrumentos de estímulos e seguem os mesmos princípios das agulhas de acupuntura e das sementes de mostarda, muito usadas na acupuntura auricular, mas os cristais radiônicos por serem programados e desprovidos de energias negativas possuem uma grande vantagem quando comparados a outros métodos.

Como funcionam os Cristais Radiônicos?

Tudo vibra não importa se é orgânico ou inorgânico. Tudo que existe e tem forma, vibra em uma frequência própria, produzindo os mais variados tipos de radiação.

Estamos frequentemente respondendo fisiologicamente, emocionalmente e intelectualmente às radiações que nos atingem, por isso, quando estamos em perfeito equilíbrio, nossas célula e moléculas ressoam de forma harmônica, mas radiações nocivas internas ou externas podem gerar uma serie de desequilíbrios.

Quando os cristais radiônicos são aplicados em pontos de acupuntura e/ou em pontos de micro sistemas reflexos, além do estímulo físico reflexológico, eles induzem o organismo a entrar em uma frequência igual ou superior a de oito mil angstroms, frequência de harmonia e equilíbrio.

No aspecto emocional, os cristais radiônicos atuam nos quadros psicossomáticos (dores emocionais), nos traumas, fobias, tristezas e emoções represadas.

Pesquisas já demonstram a possibilidade de tratar e eliminar o excesso de peso, realizar apoio ao tratamento de dependência química, melhorar o rendimento esportivo e nos estudos, além da eliminação da bioquímica desequilibrada, por causada dos medos e fobias. Os Cristais Radiônicos atuam reequilibrando o funcionamento de todos os sistemas do organismo.


Fonte: Astrocentro

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga e Terapeuta
(11) 97273-3448

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Benefícios da Auriculoterapia

A Auriculoterapia é a utilização do pavilhão auricular como área reflexa para o tratamento de inúmeras patologias do corpo humano. Uma técnica extremamente eficaz, pois atua no físico e emocional do paciente.

Pode auxiliar o tratamento de inúmeros problemas emocionais (insônia, depressão, ansiedade) e também físicos como dores em geral, problemas no sistema digestório, respiratório, muscular, cardiovascular, obesidade e compulsão alimentar.

Os efeitos atingem um ápice que dura cerca de 3 dias, depois diminuem chegando a um efeito mínimo após 6 a 7 dias, por isso é importante trocá-los.

A estimulação das áreas reflexas pode ser feita através da: 
  • Inserção de agulhas filiformes pequenas, durante 10 a 30 minutos dependendo do tratamento. 
  • Inserção de agulhas intradérmicas que podem permanecer na orelha por 5 dias. 
  • Sementes de algumas plantas sendo as mais usadas sementes de mostarda, vão estimular o ponto através de pressão/massagem. Podem permanecer no pavilhão auricular até 7 dias. 
  • Cristais radiônicos programados.
  • Pastilhas de micro-cristais de quartzo.
  • Esferas magnéticas com funcionamento semelhante ao das sementes. 

Os benefícios da auriculoterapia: 
  • Melhora estados depressivos; ansiedade e stress; 
  • Melhora a insônia;
  • Depressão;
  • Gastrite;
  • Melhora TPM;
  • Aumenta a energia vital e reduz o cansaço físico e /ou psicológico; 
  • Alivio da dor;
  • Ajuda nos tratamentos de emagrecimento;
  • Ajuda a eliminar o vício do tabaco; 
  • Harmoniza a energia do organismo e restabelece o circuito energético nos meridianos, proporcionando uma saúde mais estável e equilibrada;
  • Equilibra os movimentos peristálticos dos intestinos, eliminando a constipação. 

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448

DEPENDÊNCIA DIGITAL

A tecnologia é um mal necessário. Atualmente, tudo se resolve de forma virtual. Cirurgias e exames são realizados com o auxílio da tecnologia, estudos, livros e músicas são baixados, trabalhos são realizados através do home office, viagens pelos lugares mais incríveis são visitados através da internet, entretenimento, lazer, relacionamentos, diversão para todas as idades e muito mais. Enfim, o mundo é tecnológico e não faz muito tempo. A evolução foi muito rápida, com a chegada da internet.

Antigamente, brincar na rua poderia ser perigoso, pais reclamavam que os filhos ficavam horas em frente a televisão ou videogame e agora surge o celular, o mais recente vício e prejudicial tanto para as crianças quanto para os adultos.

Há 2 anos, cerca de 60% das pessoas ficavam viciadas em tecnologia, sendo necessário criar um projeto de lei que prevê a proibição do uso dos celulares nas salas de aula de todo o Brasil. Por enquanto, quem dita as regras são os pais e as escolas. 

A dependência digital já é considerada um transtorno mental. As pessoas que ficam muito ansiosas ou angustiadas quando estão longe dos celulares, podem sofrer de nomofobia, um distúrbio que atrapalha a vida social, o desempenho no trabalho e pode até provocar acidentes graves. O Instituto Delete, no Rio de Janeiro, é o primeiro a tratar pessoas dependentes de internet.

O Brasil já conta com 22 milhões dos chamados nativos digitais, nascidos e criados a partir da década 1980, na era dos games e da internet. Contrariando prognósticos de que a tecnologia apenas ajudaria a multiplicar informações e o círculo de amizades, muitas crianças, adolescentes e adultos nunca estiveram tão desconectados do mundo real. Parecem hipnotizados por seus aparelhos móveis, perdendo a vontade de estudar, de brincar ao ar livre e até de conversar entre si e com os familiares, sem intermediação das telas. Falta de controle dos adeptos, muitos jovens já apresentam sintomas de vício em eletrônicos, com isso, a queda no rendimento escolar, a insônia e o nervosismo vão se instalando sem causa aparente.

No Brasil, muita gente está aderindo ao novo jogo, a sensação do momento POKEMON GO, e não sabe que é uma dependência virtual e pode se tornar um problema.

Alguns estão dedicando seu tempo a procurarem personagens fantasiosos em lugares reais. As crianças precisam brincar para desenvolverem a sua cognição; já adultos com certos jogos podem desenvolver algumas psicopatias: borderline, paranóide, transtorno obsessivo compulsivo, obsessão e manias. É provável que esse jogo acabe influenciando negativamente a realidade de algumas pessoas como aconteceu com várias crianças e adultos influenciados por jogos dessa natureza em vários países, principalmente nos EUA. (Marney Cruz)

As últimas notícias, do final de julho de 2016, relatam inclusive acidentes fatais com o jogo, pois ele tira totalmente a sua atenção do que está acontecendo à sua volta. Você fica tão obcecado em capturar o personagem, que não percebe que está alienado, pois transforma ideias em “coisas” que não estão no mundo real, só no virtual, mas que causa efeitos cognitivos prazerosos e viciantes para quem joga. Os desenvolvedores do jogo não estavam preocupados em colocar os alvos em localização fora de perigo.

O mundo existente e o fantasioso se conflitam em mais um objeto que vicia, uma mercadoria que desempenha muito bem sua função no mundo consumista capitalista sem o mínimo de preocupação psicológica ou material.

DICAS PARA BRINCAR COM SEGURANÇA: 
  • Evitar jogar logo antes de dormir.
  • Evitar jogos não adequados à faixa etária (os jogos trazem a classificação em seus respectivos invólucros).
  • Pais devem procurar saber de quais jogos seus filhos gostam, para saber a quais conteúdos eles podem estar expostos.
  • Evitar jogar mais de 50 minutos seguidos sem fazer uma pausa para alongamento de pelo menos 10 minutos. Alongamentos ajudam a prevenir lesões musculoesqueléticas.
  • Evitar o uso de headphone ao jogar, ou deixar o som baixo, pois a audição pode ser prejudicada caso o som esteja alto. O ideal é que a altura permita que se escute quem está ao lado.
  • Procurar manter uma distância mínima de 60cm da tela do computador, para evitar problemas de visão.
  • Variar as categorias de jogos, testando os diferentes, pode levar o jogador a descobrir um mundo novo e assim desenvolver tipos variados de habilidades.
  • Como alguns jogos demandam tempo superior ao recomendado (entre uma e duas horas diárias), é importante ter alguma flexibilidade quanto ao horário. Jogos que demandam mais tempo devem ser praticados nos fins de semana ou nos feriados.
  • Cuidado com o local em que você se encontra, verifique se não é uma área de risco contra ladrões, acidentes, etc.
  •  Avise à alguém onde você está.
  • Os filtros protetores de tela auxiliam muito, contribuindo para a diminuição dos espaços luminosos e aumentando o contraste entre as imagens.
  • Pessoas com histórico de epilepsia devem evitar jogar.

Sinais de alerta
  • Como identificar se o seu filho (ou você) está exagerando?
  • Começa a apresentar sono irregular, principalmente insônia?
  • Queda no rendimento escolar e disperso no trabalho, que pode ser explicado pelo uso abusivo do computador ou por outros problemas de ordem comportamental.
  • Alternância no humor: a criança ri ou chora sem motivo aparente. Adultos ansiosos, irritados e nervosos.
  • A criança e o adulto, começam a ficar isolados ou apáticos.
  • A criança fecha rapidamente a tela do computador ou desliga a máquina quando um adulto se aproxima. O adulto faz a mesma coisa quando o chefe ou um superior aparece.

VANTAGENS do uso moderado
  • Maior facilidade de aprendizado.
  • Desenvolvimento de habilidades cognitivas e motoras.
  • Melhora na capacidade de orientação espacial.
  • Pode facilitar a socialização.
  • Favorece a comunicação e a busca de informações.
  • Uso de chats (comunicadores instantâneos) beneficia indivíduos mais tímidos e introvertidos.

DESVANTAGENS do uso excessivo
  • Dependência do jogo ou rede social, com dificuldade para interromper o uso.
  • Aumento do isolamento social.
  • Piora nos rendimentos escolares e acadêmicos.
  • Prejuízo na rotina.
  • Baixa autoestima e menor satisfação com a vida diária.
  • Prejuízos físicos do usuário problemático, como secura do olho, insônia e desconforto musculoesquelético.
  • Quanto tempo faz que você não se desliga do celular, whatsapp e das redes sociais? Já pensou? Pois é, bastante tempo não é mesmo!?

 Aviso para os jovens e adultos ansiosos e cansados de hoje: para além do virtual, existe o real! Aproveite a vida, vá ler um livro, ver o mar, passear na praça ou até procurar um(a) namorado(a) em vez de um Pikachu. (Marney Cruz)

Que tal você também tirar férias do mundo virtual?

Experimente outras sensações, como:
  • Deitar numa rede e ler um livro;
  • Sentar debaixo de uma árvore, fazer um pic nic no parque com as crianças ou com a namorada, ouvir uma música relaxante;
  • Ouvir o canto dos pássaros. Já percebeu como é lindo?;
  • Tomar chuva, que delícia! Lavar a alma;
  • Caminhar de mãos dadas com seu amor, enquanto tomam sorvete. Tudo de bom!;
  • Andar de bicicleta e sentir a brisa no seu rosto;
  • Caminhar pela areia da praia, molhando os pés na água do mar, enquanto a onda quebra nas suas pernas;
  • Sentar no banco de uma praça para apreciar a lua e as estrelas;
  • Soltar pipa, pular corda, jogar peteca, brincar de pega-pega com as crianças;
  • Assar um bolo, para o café da tarde com a família;
  • Um cinema com o namorado;
  • Um churrasco com os amigos;
  • Um futebol com a galera do trabalho.

Entre tantas outras opções....Já pensou??? Sugiro que pense. Com certeza, você vai viver mais e melhor, com mais qualidade. Fica a dica. 

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448